Envia o teu numero de telefone e ano escolar para aecamoes@gmail.com e entra na Rede da AE. Participa connosco e ajuda-nos a melhorar o Camoes.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Resumo Reunião II - RGA

O segundo ponto da reunião era a apresentação de propostas para RGA (lê primeiro -> http://xcamoes.blogspot.com/2009/11/tomada-de-posse-e-reuniao-de.html).
Visto que uma RGA não deve ser muito longa e que as propostas são muitas, a ideia deste ponto era começar a lançar a discussão na escola sobre as várias propostas para depois as votar em Reunião Geral de Alunos (deverá ser no início do 2º Período).

Aqui estão as propostas lançadas:
  1. Abolir o toque de entrada e de saída (medida acompanhada pela compra de vários relógios para pôr em todas as salas e pátios)
  2. Utilização das 12h de Educação Sexual obrigatórias (decreto aprovado este ano no Parlamento Nacional) para Palestras, Filmes, sessões de Teatro e conversas com Associações de combate à discriminação.
  3. Não ter de passar cartão à entrada da escola para poder utilizar o bar, papelaria, refeitório, etc...
  4. Existência de um segundo prato vegetariano no refeitório
  5. Possibilidade de servir sumos na cantina
  6. Criação de um espaço para fumadores dentro da escola, com cinzeiros e alguma campanha anti-tabágica (zona que não seja de passagem)
  7. Pedir aos professores que atribuam uma parte da nota de cada aluno à dinamização da escola, de forma a haver mais motivação dos estudantes para participar (e.g 60% testes, 30% relatórios e outro trabalhos, 5% atitude, 5% dinamização da escola).

Há também três propostas relativamente à utilização do espaço escolar:

  1. Abrir porta exterior da zona de artes
  2. Permitir a que os estudantes estejam no jardim das flores (na entrada da escola)
  3. Abrir a entrada esquerda da fronte do Camões (por onde passávamos antes) aos estudantes.

Quanto a esta questão queremos também informar que já é permitida a utilização das escadas centrais. Por favor cuidem delas que já são velhinhas.

Pedimos que levem a discussão destas medidas para os vossos colegas e amigos e que organizem debates se for o caso.

Serão votadas no segundo período, por isso espalhem as vossas ideias e dêem mais sugestões ;)

Fiquem bem!

----

04/12 - nova proposta.

Os estudantes emitem um parecer em que defendem a existência, no ensino secundário, de uma disciplina de educação cívica e dinamização democrática da escola.

23 comentários:

Para Sempre De Ninguém disse...

Olá pessoal!

Honestamente não consegui perceber o objectivo de três propostas:

1. Abolir o toque de entrada...Porquê? A minha irmã está numa escola que não tem toque e tem imensos relógios e saem quase sempre mais tarde porque, ao não ouvir o toque, as pessoas acham sempre que podem "ficar mais 5 minutos";
3. Não ter de passar o cartão...Sinceramente, sinto-me bastante segura com o facto de toda a gente ter de passar o cartão, claro que é utópico dizer que quem não é da escola não entra, mas sempre é mais fácil controlar. Outra vez com um exemplo pessoal, na minha escola antiga por haver falta de vigilância, um tipo qualquer entrou na escola e o resultado foi: um dos nossos alunos foi parar ao hospital e o que entrou fugiu e ninguém soube quem ele era.
6. Criação de um espaço para fumadores...Não me parece boa ideia. A escola é a escola e os alunos não fumadores não têm culpa que os outros tenham escolhido fumar. A escola ficará mais suja , também. O que custa fumar lá fora?

Fjó disse...

Olá Para Sempre de Ninguém,
Vou responder explicando o ponto de vista das pessoas que defendem cada uma das propostas de que falaste. Não quer dizer necessariamente que as defenda, mas quero expor a argumentação a favor:

1. O ano passado o Observatório da Educação (órgão nacional) veio à escola fazer a avaliação externa e uma das coisas referidas como positivas foi não haver “toque de atraso”. De facto, ao não haver este segundo toque há menos atrasos e as pessoas são mais responsáveis, não há aquela ideia de “Ahh, tocou... Vamos esperar pelo segundo para entrar”. A ideia da abolição total do toque é a mesma: responsabilização. Assim, as pessoas entrariam consoante as horas e não consoante os toques, o que poderia levar a mais pontualidade e noção do tempo. Quanto ao “ficar mais 5 minutos”, isso já acontece de qualquer maneira e até me parece que não haver toque podia ajudar a acabar com isso (se os alunos chegarem a horas, entenda-se).

3. Percebo muito bem a tua preocupação. A vigilância é sempre muito importante. Não me parece, no entanto, que se alguém quisesse entrar na escola para armar confusão o fosse fazer às 8h15 ou noutra hora de entrar, e fora dessas horas os cartões não são controlados. No início deste período não havia obrigatoriedade de passar cartão e não aconteceu nada de mal. Certo que o tempo de experimentação foi pouco, mas mesmo assim…

6. Aqui sim, posso dizer que sou a favor da proposta. Não sou fumador e, mais do que isso, não suporto o cheiro de tabaco. Mas é também por aqueles que, como eu, não o suportam que esta proposta surge. Prefiro que haja um sítio específico para as pessoas fumarem longe dos meus locais de passagem do que à entrada da escola, por onde tenho de passar várias vezes ao dia. Além disso é menos perigoso para aqueles que fumam, porque não têm de estar perto de estrada. Quanto à sujidade, é mais um dos argumentos a favor da proposta: não terias beatas no chão da escola porque haveria cinzeiros. (Já agora, as funcionárias e os funcionários da escola têm-se queixado do aumento do número de beatas que aparecem no chão do interior da escola).

São só opiniões, muito discutíveis. Obrigado pelo teu comentário e não te esqueças de espalhar o debate! ;)

Feijó

Filipe Soares disse...

Feijo, nao é proibido por lei fumar dentro do recinto escolar?

Ja agora, acho o ponto nº 7 completamente disparatado. 1 valor para dinamizar a escola? Yes, toda a gente vai subir a media!

Marta Lima disse...

Abolir o toque de entrada era uma grande mudança. Para mim ia ser péssimo, mas percebo o objectivo da responsabilização.

Em relação ao 5º e 7º pontos não estou de acordo. O primeiro porque podemos levar sumos do bar, porque os sumos que seriam servidos provavelmente não seriam grande coisa, e porque ia ter que aumentar o preço da refeição.
O outro porque acho impossível pôr em prática. Como se avalia em cada disciplina uma atitude que é tomada fora das aulas? Além disso a participação é voluntária...

Abrir a porta exterior, mais do que acabar com a passagem do cartão, ia trazer alguma insegurança, já que nessa zona não há nenhum funcionário, ao contrário da entrada principal.

Apesar de não ser vegetariana, acho óptimo que haja essa opção no refeitório, desde que não tenha implicações no preço das refeições "normais".E deveria ser marcado com alguma antecedencia (mais do que as outras, já que estas vêm num recipiente grande, e os pratos vegetarianos seriam poucos, em princípio).

Anónimo disse...

De uma forma geral gostei das propostas, mas vou fazer alguns comentários.... Abolir o toque... estudos vários mostram que tem sido uma boa medida. Ajuda a reponsabilizar sem necessidade de reflexos pavlovianos; os sumos não vejo grande vantagem... sobretudo num grupo que também propõe um prato vegetariano alternativo no refeitório; este já me parecem melhor...
o cartão...esqueçam! É uma questão funcional, é uma questão de segurança, é prática "corrente" em milhares de sítios sem problemas... qual é o "contra", a desvantagem????
Quanto ao observatório da educação (órgão nacional) parece-me haver aí alguma confusão... há o observatório da escola, que é um grupo de trabalho da escola, que recolhe analisa e interpreta a informação de tudo o que acontece na escola; e a Inspecção Geral de Educção, que faz a avaliação externa das escolas (à qual a escola se candidatou, voluntariamente, no ano lectivo anterior). Não há nenhum observatório da educação que seja órgão nacional, tal como não há, nem pode haver, toque de atraso. pessoas tão conhecedoras não sabem isto????
O fumo, é mesmo uma questão difícl... nunca fumo na escola apesar de fumador mas compreendo, um lugar de fumadores era bom.. mas o Filipe tem razão. É proibido fumar na escola, ponto! A legislação é clara. temos que nos habituar a segiur as normas. Porque não pensar em deixar de fumar? Fumar em casa? Sempre são uns cigarros a menos ao longo do dia...

Matilde disse...

a questão dos cartões... sinceramente acho bem que seja obrigatório passar o cartão quando se entra na escola, de preferência sempre. Mas Isso é independente dos cartões no bar e na papelaria e assim!
Não me parece que haja algum problema o bar vender um croissant a um rapaz que estava com pressa e se esqueceu de passar o cartao quando chegou, em vez e o obrigar a voltar à porta para o passar e depois regressar ao bar..


Por isso não é preciso confundir as duas coisas, uma é passar o cartão por segurança na grande maioria as vezes, gesto que depende da responsabilidade de cada um. Outra é que seja obrigatório ter passado o cartão para comprar coisas.

Matilde disse...

Já agora, os 5% para dinamização da escola..esqueçam por favor. É só uma percentagem para distrair os alunos da verdadeira nota de aula. A dinamização da escola parte de cada um e a não existência de contrapartidas faz parte dela à partida. Já para não falar de que os professores não saberiam como avaliar os alunos nesse parametro.

Anónimo disse...

Sim o ponto 7 é na minha opinião impraticável até porque o que se está a avaliar não tem nada a ver com a disciplina em si e como tal é apenas facilitismo para todos termos mais 1 valor em qualquer disciplina.

Diogo

Associação de Estudantes do Camões disse...

A pedido do professor Manuel Beirão, aqui coloco este comentário:

Bom dia à nova Direcção da Associação da Escola. Estou a ver que estão mesmo com vontade de fazer a escola mexer! Acho bem!
Vamos ás vossas propostas:
1) Abolir os toques: porquê? Qual a vantagem? Já falaram com estudantes de escolas onde não há toques? O comentário anterior parece-me pertinente…
2) Educação Sexual: proposta boa com algumas reservas. As 12h previstas na lei não têm de ser gastas em debates alargados. Cada turma pode tomar iniciativas próprias…
3) O cartão à entrada da escola: qual a vantagem de não registar a entrada? As filas? E a segurança? O comentário anterior volta a ser pertinente…
4) Prato vegetariano: concordo com a proposta.
5) Consumo de sumos: os sumos são alimentação saudável? Ouvi dizer que não…
6) Espaço de fumadores no interior da escola: errado! Não pela lei (que proíbe o tabaco no interior das escolas secundárias mesmo em espaços abertos) mas porque há melhores formas de gastar dinheiro, saúde e tempo! É uma questão de imaginação de cada um e da Associação de Estudantes…! Não?
7) A dinamização da escola pesar na “nota”: não faz sentido. A “nota” de uma disciplina deve incluir apenas o trabalho realizado na disciplina: testes, trabalhos de casa, participação na aula, atitudes nas aulas. O que devia era haver uma Educação ou Participação Cívica com uma “nota” e aí concordo com a proposta.
PARABÉNS PELOS TEMAS E DEBATES!
O prof Manuel Beirão, adjunto da Direcção da Escola.

Sérgio Rocheteau disse...

Acho que as pessoas não perceberam bem a proposta do cartão.
Nós não queremos que deixe de ser obrigatória a passagem do cartão à entrada da escola. Os alunos continuam a ter de o passar.
Apenas por vezes temos pressa e não passamos, ou passamos duas vezes, e quando chegamos ao bar, ou à papelaria (muitas vezes depois de uma grande fila) temos de voltar à entrada, passar o cartão, e voltar para o fim da fila. Apenas não queremos que o cartão seja necessário passar o cartão para podermos comprar algo nestes dois sítios. Um exemplo disto é o refeitório, onde não tens de passar o cartão para poder almoçar.

Em termos de segurança, e até para podermos comprovar que estivemos na escola, passarmos o cartão à entrada é essencial.

Em relação a abolir o toque eu concordo e acho que promove a responsabilidade, mas acho que tem de ser discutido, pesar os prós e os contras, e saber a opinião da comunidade escolar.

Alguém disse...

Já andei numa escola onde não havia toques de entrada\saída. Era uma escola com regras muito rígidas, e chegar atrasado, simplesmente, nao podia acontecer. A pontualidade era um dever. Na escola, apenas havia um relógio e era no bar...
No entanto, eram raras as vezes que ficavamos depois da hora de saída, mesmo sem relogio na sala, pois havia grande responsabilidade dos professores que a horas nos deixavam sair. A ideia dos relógios nas salas era uma boa ideia, pois muitas vezes não se ouve o toque, no entanto, há sempre aquele aluno que consulta o telemóvel e informa o professor que já tocou e nunca vi nenhum professor duvidar e não nos deixar sair depois do aviso...

Passar o cartão à entrada da escola é algo que me chateia. Apesar de preferir nao ter de passar para poder ir ao bar\secretaria, sei que este acto apenas me tira 10 segundos.lol

Acho boa ideia a criação de um espaço para fumadores. Todos os dias se vê alguém a fumar dentro da escola e, especialmente, a dois passos para lá do portão, pelo que considero boa ideia, pois evitaria o nevoeiro à entrada da escola. No entanto, estou perfeitamente a ver pessoas com a mentalidade de "tou a 10 passos do espaço para fumadores, vou já acender o cigarro", "vou acabar o cigarro lá fora". Pelo que rapidamente, se passaria a fumar em toda a escola. sera?

Sr. Banana disse...

Só uma coisa: o facto de não podermos utilizar o cartão no bar ou no refeitório sem ter dado entrado é a única garantia que damos de facto entrada! Se eu pudesse utilizar o cartão na escola sem ter de o passar à entrada, provavelmente não o faria.
Eu sei que é chato ter de sair da fila do bar para dar entrada, mas porque é que o pessoal, não dá passa o cartão assim que entra? e se não pode porque está atrasado, volta mais tarde antes de ir ao bar ou ao refeitório. É que não mesmo muito passar o cartão à entrada! Preparem o cartão antes de entrarem na escola e não terão este problema, acho eu...

Ideia de espaço para fumadores agrada-me! Assim desocupa-se a entrada do pessoal do fumo, resolve-se (mais ou menos, há que contar com a falta de civismo) o problema das beatas, tem um forte potencial para humilhação pública dos utilizadores...Gosto!

Abrir a entrada que dantes estava aberta gosto! Apesar de que, provavelmente, não há pessoal suficiente para garantir a segurança dessa entrada.

Não gosto da nota pelo activismo...é tipo "boa, fizeste activismo! toma lá o biscoito!"

Abolir o toque...percebo a intenção, e até concordo, mas acho que é demasiado cedo para isso. Porque não ser uma coisa mais progressiva? Espalhar vários relógios pela escola, habituar os alunos a guiarem-se por eles, e depois retirar o toque?

Alternativa prato vegetariano? Sim!

Zi disse...

Tenho uma pequena dúvida:

As 12h de Educação Sexual sao mesmo, mesmo, mesmo, mesmo, mesmo obrigatórias? Eu pessoalmente não tenho nada contra, mas faz-me alguma confusão ser obrigatório. Como é que podem fazer isso? O Encarregado de Educação não tem de dar a sua autorização? Posso estar enganada, mas tinha mesmo essa noção.
É porque é assim, existem religiões que têm certos tabus em relação a muitos conceitos que são aceites na sociedade(a utilizaçao do preservativo na religião católica é um exemplo, mas existem muitos outros).
Ed. Sex. é informação, é importante.. Mas temos de respeitar as crenças individuais de cada um.

Não temos?

simaraoptor disse...

Zi,

Ninguém vai despir as calças de ninguém e pôr preservativos à força.
As aulas de educação sexual são meramente informativas, passam por palestras, visionamento de filmes, etc. ... eu, pessoalmente, tenho uma visão influenciada pela religião católica e não morro por ver uma palestra vietnamita sobre sexualidade. As aulas não abusam contra a liberdade de ninguém, limitam-se a ensinar maneiras de impedir o contágio de DST, a gravidez e mais todas essas coisas que todos nós sabemos. O importante não é fazer uma lavagem ao cérebro de determinadas religiões ou culturas, mas avisar todos das consequências que as suas decisões culturais, religiosas, sexuais, etc., etc. podem ter no seu futuro.

Por outro lado, apesar de ter imediatamente discordado da proposta da dinamização, depois de ma explicarem convenientemente fiquei bastante atraído pela proposta, e acho triste que ninguém a explique aqui. O ano passado a minha turma de francês organizou um pequeno teatro em francês para o dia desta língua na semana das línguas. Eu escrevi o guião e alguns colegas meus interpretaram. Ora, isto entraria na dinamização.
A verdade é que aprendi imensas expressões tipicamente francesas ao escrever essa peça, e que me foi bastante útil em termos da disciplina, visto isto, porque não estimular a criação de debates, peças, projecções, exposições, etc., etc. por parte de cada disciplina, para que entre na parte da dinamização, quando neste momento já entra na participação, quando não é a mesma coisa sequer?
Eu posso participar na aula sem participar na escola utilizando a aula, certo? Pensem nisto, porque apesar da minha aversão inicial, estou agora muito de acordo com a proposta!

Ana disse...

"As aulas não abusam contra a liberdade de ninguém, limitam-se a ensinar maneiras de impedir o contágio de DST, a gravidez e mais todas essas coisas que todos nós sabemos."

Epá, espero sinceramente que as aulas não se limitem a isso!...

Zi disse...

Tudo bem, eu concordo contigo simao, mas tipo nem toda a gente pensa como eu e tu pensamos. Temos de ter essa noçao.

Mas a minha pergunta era mesmo se os alunos sao obrigados a ter as 12h pelo ministério ou pela escola. Porque se for pelo ministério, nem vale a pena discutir isto lol

Anónimo disse...

Zi,
A Ana martins ficou de ler o projecto-lei. depois há-de nos explicar tudo ;)

Seria interessante marcar um debate sobre Ed. Sexual.

Peço desculpa relativamente à confusão do Observatório. Não estou muito informado sobre o assunto e tinha ficado com a impressão que era disso que se tratava o ano passado. Obrigado pela emenda ;)

Feijó

Ana Isabel disse...

Olá!

Acho interessantes algumas das propostas aqui apresentadas, nomeadamente a possibilidade de acesso dos alunos pela entrada da esquerda. Porém, sou da mesma opinião de alguns que já escreveram aqui:
- o espaço reservado aos fumadores pode parecer muito engraçada mas não sei se é assim tão importante e, vamos lá ver, de certeza que os nossos pateos não iriam estar muito limpinhos. Já não o são agora quanto mais com beatas espalhadas por todo o lado.
- a proposta de haver uma percentagem de avaliação para a dinamização do aluno na escola parece-me um pouco deslocada. A dinamição na escola passa pelo querer e não o ter que fazer, na minha opinião. O nosso papel na escola conta sempre, principalmente na nossa memória de passagem pelo Camões. Levar isso para um parâmetro de avaliação..:S

Tenho uma proposta que acho interessante:
Reutilizar o espaço em frente ao Pavilhão, que está completamente abandonado. Podiamos fazer daquilo um espaço de convívio, por exemplo.

Fico à espera de mais novidades! ;)

Filipe Guedes Ramos disse...

Saúdo o(s) autor(es) destas propostas, e também da proposta última (no comentário anterior).

Como o Sr. Banana disse, se fosse desnecessário passar cartão para se ter acesso aos serviços no interior da escola…o acto de passar cartão deixaria de servir para coisa alguma.
A questão é que a escola tem alguma fragilidade no controlo de entradas e saídas; não se pretende que seja uma creche, mas já vi muitas pessoas entrarem à socapa…como sabemos nós que são alunos ou pessoas mal intencionadas?… Não quero com isto dizer que a escola é insegura (de todo), mas essa liberalização poderia dar azo a…

A existência dos toques foi levantada por mim numa reunião do CGT o ano passado e foi quase motivo de risota. Vejo que hoje a Associação a considera positiva. E é.

A questão da integração de 5% na avaliação dos alunos pode ser encarada de duas formas: com responsabilidade ou com irresponsabilidade. O tipo de dinamização que o aluno faz terá de coincidir com as opiniões do professor? Terá do aluno ser uma cobaia do professor, para obter essa classificação?…
Cheira-me que poderia abrir (ainda mais) brechas na avaliação dos alunos.

Boa sorte! ;)

Filipe Guedes Ramos disse...

Ah, a questão do fumo.
Além de ser um pouco contra-senso (a lei diz que não, a escola iria dizer que sim?), concordo com o Prof. Manuel Beirão: há decerto outras formas melhores e mais positivas de gastar o erário escolar, bem como a gestão dos espaços.

;)

Diana disse...

Boas noites. Sou a delegada do 11ºE e como nos foi pedido na reunião que ocorreu na passada Quarta-Feira, já falei com a minha turma sobre as propostas.
Sobre abolir o toque da escola, a turma não concorda que se deva abolir, pois é uma forma de controlarmos o tempo.
Sobre Educação Sexual na Escola, a opinião geral foi que sim, que devia haver. Mas, depois de analisada a questão chegámos à conclusão que: Sendo as aulas extra-curriculares, muito pouca gente lá iria aparecer. E em algumas vezes apareceriam duas pessoas, noutras vezes mais uma pessoa que iria sozinha... Enfim, não iria resultar, por mais boa ideia que fosse.
Sobre passar o cartão da escola na entrada, votámos Sim, que se deva passar pois... (Bolas, esqueci-me de apontar).
Abrir jardim que foi inaugurado- Opinião geral: Sim. Mas, teria de partir de todos os alunos a boa vontade de não estragar as plantas pois a conservação de qualquer jardim é importante.
Quanto ao portão de artes estar aberto, a turma achou que só deve estar aberto entre as 8h e as 8.30h; entre as 13.00h e as 13.30h; entre as 18.20h e as 18.30h pois não pode definitivamente estar aberto o dia todo, é uma falta de segurança tremenda. Assim sendo, um funcionário, ou auxiliar de educação ou o nome que terá neste momento, poderá vigiar esse portão em curtos períodos de tempo, controlando as entradas e as saídas.
Quanto aos sumos na cantina, concordamos com a Marta Lima, para quê colocar sumos na cantina, se os podemos comprar no bar... Turma: Não
Quanto ao prato vegetariano na escola, estivémo-nos a informar com a nossa Directora de Turma e esta disse-nos que já anteriormente tinha surgido esta ideia mas por várias impossibilidades como:
-Quantidade de alunos que se comprometiam e que podiam almoçar na cantina pelo menos 3 dias era reduzida
-Cozinheiras, por serem muito poucas, não conseguem "dar conta do recado" ao fazer 2 pratos distintos ao mesmo tempo nas instalações que são pequenas.
-O preço da comida vegetariana é extremamente cara e não se pode aumentar o preço da refeição escolar, por lei.

Quanto ao espaço para fumar, Pedro Feijó, a Directora de Turma (Teresa Caramelo) afirma que te conhece e que já te disse inúmeras vezes que é impossível fazer um espaço desse estilo DENTRO da escola, POR LEI.
Percentagem por dinamização da escola, a turma não concorda, pois só dinamiza quem quer dinamizar e além disso, quem seria a pessoa que iria dizer: "a aluna X esteve na Reunião Y e assim, deve ter um 17 nas atitudes relativas à dinamizaçao enquanto que a aluna Z deve ter 14 porque tal tal tal... " É ridiculo, andar alguém com um papel a avaliar o nosso comportamente numa atitude que deveria partir do nosso interesse e não dum interesse secundário como ter mais nota. A professora também sublinhou que a avaliação era dada pela classe docente e não pelos alunos(pois só poderia ser um aluno a avaliar a nossa atitude numa reunião para subdelegados e delegados, por exemplo)

Para mais alguma dúvida, consultarei este blog e responderei.

Diana Carvalho, 11ºE

O prof Manuel Beirão disse...

AINDA SOBRE O TABACO...
Ouvi dizer que a nova Direcção da Associação pretendia instalar uma esplanada junto ao bar... Creio que seria uma das formas de evitar que o pessoal saia para fumar. Mas não é suficiente. Outras formas: colocar jogos nas mesas da esplanada. E por que não tabelas de basquete no próprio pátio norte?
O prof M Beirão

Marta Lima disse...

Corrigam-me se estiver enganada, mas Diana, as aulas de Ed.Sexual não são extra curriculares, elas foram aprovadas por lei e por isso vão existir. O problema é saber o que fazer com elas, por isso apresentámos uma proposta.

Obrigada pela resposta, e leva a tua turma a votar já que o blog é apenas para informar e debater, a decisão é tomada em RGA.